Hipertrofia Adenoamigdaliana: a famosa “carne esponjosa”

Saiba mais sobre a hipertrofia

adenoamigdaliana:

O que é “carne esponjosa”?

 

“Carne esponjosa” é o nome popular que muitas vezes é empregado para descrever a hipertrofia (aumento) das amígdalas e das adenoides. Essas, são órgãos pertencentes ao sistema linfoide, isto é, ao sistema de defesa do corpo. A amígdala fica na orofaringe,atrás da língua, e seu nome técnico é tonsila palatina. Já a adenoide se localiza atrás do nariz, e é cientificamente conhecida como tonsila faríngea.  


A hipertrofia da adenoide ocorre mais comumente em crianças. Já a amígdala aumentada pode estar presente em todas as idades e gerar grande prejuízo na qualidade de vida do paciente acometido.
 

Como a hipertrofia das amígdalas e das adenóides pode atrapalhar a respiração?

O aumento das amígdalas e das adenóides, isto é, uma hipertrofia adenoamigdaliana, pode levar a uma obstrução da via aérea, dificultando a respiração  nasal do paciente, causando roncos noturnos e, até mesmo, apneias do sono. Também temos que lembrar que, a hipertrofia adenoamigdaliana na criança, pode levar à respiração oral contínua, que por sua vez leva a alterações do desenvolvimento da face, mandíbula e maxila. O tratamento precoce evita esses prejuízos.

Como é realizado o diagnóstico da “carne esponjosa”?

O mais importante é uma avaliação especializada de um médico otorrinolaringologista. Uma consulta completa, composta por uma entrevista detalhada e um exame físico minucioso pode esclarecer muitos problemas.

Além disso, pode-se solicitar exames complementares, como a nasofibrolaringoscopia e a radiografia de cavum (RX-cavum).

 

A hipertrofia adenoamigdaliana ou “carne esponjosa” precisa de tratamento específico?

 

Caso o aumento das amígdalas e das adenóides esteja dificultando a respiração nasal, causando roncos noturnos ou apneias do sono tem sim indicação de tratamento. Além disso, as amígdalas podem inflamar de forma recorrente, caracterizando quadros de amigdalites de repetição, que também exigem intervenção terapêutica. Alguns pacientes infantis também podem apresentar otites e sinusites recorrentes, secundárias ao reservatório bacteriano que pode estar presente nas adenoides. Nesses casos também pode ser necessário um tratamento especializado.


Como é realizado o tratamento da hipertrofia das amígdalas e das adenoides?

 

Inicialmente devemos tentar uma abordagem clínica, isto é, com o uso de medicações que possam tentar minimizar o impacto dessa hipertrofia na vida do paciente. O tratamento das comorbidades, como alergias respiratórias e doença do refluxo gastro esofágico, deve sempre ser lembrado. Quando o tratamento clínico não gera resultado, podemos indicar a cirurgia remoção das amígdalas e das adenoides. São elas as adenoidectomias por via endoscópica, a amigdalectomia ou a adenoamigdalectomia. Para isso, podemos utilizar diversas técnicas, como laser, radiofrequência e endoscópios. Veja mais sobre a cirurgia, clicando AQUI!!!!!

 

 

Caso você tenha mais dúvidas sobre a hipertrofia das amígdalas e da adenoide, a famosa “carne esponjosa”, estamos a disposição para realizar uma avaliação e explicar todo o tratamento de forma clara. Conte conosco para ajudar!

CONTATO:

  • facebook ototone
  • instagram otoone
  • youtube otoone
  • Dr. Bruno Rossini
  • Dra. Renata Curi

Endereço: R. Cubatão, n°86, conj. 1407
Bairro: Paraíso | São Paulo/SP

Fone: (11) 4301-6874 | 2389-7016 | 99949-7016
Email: contato@otovita.com.br