top of page

Cirurgia Nasal Funcional: Considerações sobre os Riscos e Complicações

Atualizado: 4 de jul.


A cirurgia nasal funcional, englobando procedimentos como septoplastia, turbinectomia, rinosseptoplastia, rinoplastia funcional, sinusectomia e polipectomia, visa aprimorar a função respiratória e a qualidade de vida dos pacientes. No entanto, é crucial que os indivíduos que consideram tais intervenções estejam plenamente informados sobre os potenciais riscos e complicações associados


Hemorragia: Sangramento nasal pós-operatório é uma ocorrência comum, com intensidade variável. Na maioria dos casos, o sangramento é autolimitado e controlado por meio de compressão do nariz, compressas geladas, tamponamento nasal e medidas conservadoras. Entretanto, pacientes com comorbidades como hipertensão arterial ou coagulopatias podem apresentar maior risco de sangramento intenso, necessitando de intervenções adicionais.


Infecção: A infecção pós-operatória constitui uma complicação que requer atenção médica imediata. Sinais como febre, dor local intensa, edema e secreção purulenta nasal indicam a necessidade de antibioticoterapia e acompanhamento médico rigoroso.




Disfunção Olfatória: Alterações transitórias na percepção olfativa podem ocorrer devido ao edema da mucosa nasal pós-operatório. Em casos raros, especialmente em cirurgias mais extensas como para o tratamento de sinusites crônicas com muitos pólipos, a disfunção olfativa pode ser permanente.


Perfuração Septal: A perfuração septal, uma comunicação anormal entre as fossas nasais, pode surgir como resultado de trauma cirúrgico ou infecção. Sintomas como obstrução nasal, formação de crostas, epistaxe e ruídos respiratórios podem estar presentes. O manejo terapêutico varia de acordo com a extensão da perfuração, desde medidas conservadoras até procedimentos cirúrgicos reparadores.


Sinusite: A inflamação dos seios paranasais pode ocorrer como complicação pós-operatória, seja devido à manipulação cirúrgica ou ao uso de tamponamento nasal. Manifestações clínicas como dor facial, congestão nasal, secreção nasal purulenta e febre podem estar presentes, requerendo tratamento com antibioticoterapia, descongestionantes e lavagem nasal.


Sinéquias: As sinéquias, aderências fibrosas entre estruturas nasais, podem levar à obstrução nasal e desconforto respiratório. Sinéquias menores podem ser solucionadas no próprio, enquanto casos mais extensos podem demandar intervenção cirúrgica.


Recidiva: Em alguns casos, a obstrução nasal pode recidivar após a cirurgia, particularmente em pacientes com rinite alérgica crônica ou outras condições inflamatórias subjacentes. Nesses casos, pode ser necessário um novo procedimento cirúrgico ou tratamento medicamentoso complementar.


Dor e Edema: Dor, edema facial e sensação de pressão são queixas comuns no pós-operatório de cirurgias nasais. O manejo adequado com analgésicos, compressas frias e repouso geralmente promove alívio sintomático.


Cicatrizes: As cirurgias nasais funcionais geralmente resultam em cicatrizes internas e discretas. Em procedimentos externos, como a rinosseptoplastia, podem ocorrer cicatrizes visíveis, que tendem a apresentar melhora ao longo do tempo e com o uso de medidas adjuvantes.


Resultado Estético: A rinosseptoplastia, além de corrigir disfunções nasais, pode, também, melhorar a estética nasal. É essencial que o paciente tenha expectativas realistas e discuta seus anseios estéticos com o cirurgião previamente à cirurgia.


Complicações Anestésicas: A anestesia geral apresenta riscos inerentes, incluindo reações alérgicas, náuseas, vômitos e, em situações raras, complicações mais graves. 


Complicações Incomuns: Embora raras, outras complicações podem surgir, como alterações gustativas, lacrimejamento, lesões oculares, meningite e alterações vocais. É importante que o paciente esteja ciente dessas possibilidades e discuta quaisquer preocupações com o cirurgião.


A decisão de se submeter a uma cirurgia nasal funcional deve ser embasada em informações completas e transparentes. Recomenda-se que o paciente busque uma consulta com seu otorrinolaringologista de confiança para uma avaliação individualizada e discussão detalhada dos riscos e benefícios do procedimento, visando a tomada de decisão mais adequada para sua saúde e bem-estar. Na Clínica Oto One procedemos com a maior segurança possível para que tudo corra bem durante seu procedimento e recuperação pós operatória. 


Conte comigo para ajudar.







Dr. Bruno Rossini (CRM-SP 115697; RQE:34828)

Fone e Wathsapp: (11) 91013-5122 | (11) 99949-7016

Clinica Oto One- São Paulo

Instagram: @brunorossini



Complicações de Cirurgias Nasais: 10 Perguntas e Respostas com um Otorrino


Quais são as complicações mais comuns das cirurgias nasais?

As complicações mais comuns incluem sangramento (epistaxe), infecção, edema (inchaço), hematomas, dor, alterações no olfato e reações alérgicas à anestesia.

O sangramento nasal após a cirurgia é normal?

Um pequeno sangramento nasal nas primeiras 24-48 horas após a cirurgia é considerado normal. No entanto, sangramento intenso ou persistente deve ser relatado ao médico.

Como posso prevenir infecções após a cirurgia nasal?

Seguir as orientações médicas sobre higiene nasal, uso de antibióticos (se prescritos) e evitar assoar o nariz com força são medidas importantes para prevenir infecções.

É normal sentir dor após a cirurgia nasal?

Sim, é normal sentir algum desconforto e dor após a cirurgia. O médico irá prescrever analgésicos para controlar a dor.

Quanto tempo dura o inchaço após a cirurgia nasal?

O inchaço geralmente diminui gradualmente ao longo de algumas semanas. Aplicar compressas frias e manter a cabeça elevada podem ajudar a reduzir o inchaço.

A cirurgia nasal pode afetar o olfato?

Em alguns casos, pode ocorrer alteração temporária no olfato após a cirurgia, mas geralmente melhora com o tempo. Em casos raros, a perda do olfato pode ser permanente.

Quais são os sinais de complicações graves após a cirurgia nasal?

Sinais de complicações graves incluem febre alta, sangramento intenso, dificuldade para respirar, dor de cabeça intensa, visão turva e alterações no estado mental. Nesses casos, procure atendimento médico imediatamente.

Quando posso retornar às atividades normais após a cirurgia nasal?

O tempo de recuperação varia dependendo do tipo de cirurgia e da resposta individual de cada paciente. Em geral, a maioria das pessoas pode retornar às atividades leves em uma semana e às atividades mais intensas em algumas semanas.

A cirurgia nasal pode deixar cicatrizes visíveis?

A maioria das cirurgias nasais é realizada por dentro do nariz, sem deixar cicatrizes visíveis. Em alguns casos, como na rinoplastia aberta, pode haver uma pequena cicatriz na base do nariz, que geralmente fica discreta com o tempo.

Como posso garantir uma recuperação tranquila após a cirurgia nasal?

Seguir rigorosamente as orientações médicas, comparecer às consultas de acompanhamento, manter uma boa higiene nasal, evitar esforços físicos e ter uma alimentação saudável são medidas importantes para garantir uma recuperação tranquila e bem-sucedida.



Dr. Bruno Rossini (CRM-SP 115697; RQE:34828)

Fone e Wathsapp: (11) 91013-5122 | (11) 99949-7016

Clinica Oto One- São Paulo

Instagram: @brunorossini



Comments


bottom of page